“O espírito deve ser o mesmo de 2007”, afirma Marcelo Cardoso

Ex-jogador e atual auxiliar-técnico busca mais um acesso pelo Tricolor

Por: Site Oficial
16/05/2019 – 12:11
Foto: Arthur Barreto / DCFC / AMS

Marcelo Cardoso esteve presente nos acessos de 2007 e 2008, só que agora retorna ao Duque de Caxias para desempenhar outra função. Hoje, como auxiliar-técnico, Marcelo busca ajudar o Tricolor a voltar para a Série A do Campeonato Carioca. Mas, para isso, é preciso de muito trabalho. Sobre a preparação, o ex-jogador revela que os dias estão sendo bem aproveitados e fala sobre a expectativa para a estreia na Série B1.

– Desde que começamos os treinamentos, no dia 15 de abril, conseguimos aproveitar bastante. O grupo está respondendo muito bem ao trabalho e a expectativa é muito grande. O objetivo que a gente tem em mente é colocar o Duque de Caxias aonde ele não deveria ter saído, que é na primeira divisão – disse ele.

Como jogador, Marcelo Cardoso passou por Fluminense, America (RJ), Bangu e até jogou no futebol colombiano. Porém, foi no Duque de Caxias que ele teve dois momentos marcantes: o acesso à Série A do Carioca em 2007, e para o Brasileiro Série B, em 2008. Para Marcelo, esses dois feitos históricos foram essenciais para a sua vinda ao Duque nesta temporada. Ele também revelou que para conseguir os objetivos, o espírito atual tem que ser o mesmo.

– Conheço o Mario [Júnior, treinador] a mais de 20 anos. Isso me deu força para vir. A minha chegada tem muito a ver com a minha passagem pelo Duque de Caxias em 2007 e 2008, no qual conseguimos dois feitos históricos em um clube que foi fundado a menos de 15 anos. E o espírito de hoje deve ser o mesmo dessa época. É isso que estamos procurando passar para os jogadores – afirmou.

Antes, como jogador, Marcelo Cardoso era acostumado aos dribles e a dinâmica que acontece nas quatro linhas, mas hoje ele tem o objetivo de orientar e ajudar o Tricolor na busca pelo acesso estando fora do campo de jogo. Sobre essa transição de jogador para auxiliar, Marcelo fala sobre a sua preparação para desempenhar esta nova função no Duque de Caxias.

– Depois que parei de jogar, eu me preparei para esse momento. Fiz um curso de gestão e isso me preparou bem. Pensei que iria sentir esse início, mas o trabalho está fluindo naturalmente. A cada dia estou aprendendo e me sentindo mais seguro nesta nova função. Além disso, aqui tem jogadores que eu tive o privilégio de trabalhar junto ou jogar contra. Tudo isso facilita muito – finalizou.

Com a ajuda do auxiliar técnico Marcelo Cardoso, o Duque de Caxias segue firme no trabalho para a estreia no Campeonato Carioca Série B1. Os jogadores e comissão técnica realizam os últimos ajustes para o dia 25 de maio, quando o Tricolor enfrenta o Friburguense, fora de casa, pela primeira rodada do Grupo B da Taça Santos Dumont.

PARCEIROS